Ano vocacional - Meditação: Um missionário de La Salette-Profeta

Um missionário de La Salette-Profeta

Hoje temos a coragem de nos chamarmos profetas? Maria aparece à La Salette precisamente no espírito profético. Maria, como os profetas, ama o seu povo e sofre quando este se afasta de Deus. Como os profetas, a Bela Dama vem para transmitir uma "grande notícia", da qual, no final das contas, Deus é o primeiro autor. Como quase todos os profetas, Nossa Senhora chama todos a conversão.

Repetindo as palavras: "Ide, meus filhos e anunciem isto a todo o meu povo!", Maria nos convida a nos comprometer com essa missão de ser profetas no mundo, missão esta, que ela mesma realizou em sua vida. Sim! Nós devemos ser profetas. Se queremos revisar nossa vocação, se queremos renovar de alguma forma nossa vocação, se buscamos nossa identidade religiosa mais profunda, devemos obviamente redescobrir o caráter profético de nossa vocação. Quem, então, é um religioso-profeta?

Um profeta, antes que ele diga uma só palavra, sempre escuta. O profeta que não escuta, em última análise, não tem nada a dizer. Ele não consegue dar uma resposta significativa, uma resposta divina às perguntas que o mundo coloca. pode tão somente alimentar o mundo com sua ambígua sabedoria, mas é incapaz de dar ao mundo algo mais do que aquilo que cada pessoa pode encontrar sozinha em uma biblioteca pública. Ele pode ser educado, mas ele não é um profeta. Sua profecia é desprovida de conteúdo. Se queremos renovar, reviver nossa vocação, devemos começar a partir da escuta.

Um missionário de La Salette-Profeta, quando ouviu ou quando ouve a Palavra de Deus, é um sinal do Reino de Deus no mundo. Mas é necessário fazer uma pergunta, se esse sinal, que somos hoje, é um sinal claramente definido, claro e visível? Ou se nós, querendo servir ao mundo, nos aproximamos dele de tal forma que apenas alguns poucos nos reconhecem como religiosos? Ao introduzir valores do evangelho em nossas vidas, nos tornamos "o sal da terra", mas qual é o sabor desse sal? Talvez não tenha mais gosto? Ou talvez já tenhamos privado nosso estilo de vida de seu sabor evangélico?

Um missionário de La Salette-Profeta, que já ouviu a Palavra e se tornou um sinal claro para o mundo, também é chamado a realizar concretamente a missão que lhe foi confiada. Geralmente, podemos descrever esta missão com uma frase: "Despertar o mundo". Cada sinal só tem significado se serve para alguém. Portanto, não podemos nos fechar dentro de nossas casas, nos separar do mundo e ser apenas uma provocação. Nós devemos levar a Palavra aos outros. Nós devemos nos tornar as mãos da Divina Misericórdia. Devemos, como Maria e os profetas, com todo o amor de que somos capazes, despertar o mundo, dar-lhe esperança e convidá-lo à conversão.

Caros Confrades. Nossa preocupação com as vocações religiosas deve começar pelo reconhecimento de nossa identidade religiosa profética. Quando Eliseu reconheceu Elias como profeta, ele imediatamente o seguiu, aprendendo com ele o relacionamento com Deus, e não se sentiu atraído pelo fato de "se sentir bem" com o mestre, mas pela grandeza da missão e pela graça de Deus que o acompanhava. Nós também, quando em nossa vocação descobrirmos sua dimensão profética, tornaremos nossa vida e nossa vocação bonitas. E somente então a beleza da missão que nos foi confiada por Deus se tornará atraente para muitos jovens. Tornemo-nos, portanto, profetas! 

Pe. Marcin Sitek MS

Go to top